Jogo: GRIS

27/06/2022


GRIS é um jogo indie de aventura desenvolvido pela Nomada Studio e lançado em 2018 pela Devolver Digital. Venceu o The Game Awards 2019 como o Jogo Mais Impactante.

Gris (significa “cinza”, que é como ela começa no jogo) é a protagonista da história que inicia uma jornada de descoberta e autoconhecimento a fim de superar a dor que sente pela falta de uma pessoa e tentar se reencontrar. Alguns personagens aparecem ao longo da história para ajudá-la a passar por algumas fases difíceis, tanto fisicamente quanto emocionalmente. Ela vai explorar os ambientes enquanto coleta suas memórias para se reconstruir.

GRIS é uma experiência serena e evocativa, sem perigos, frustrações ou mortes. O jogador deve explorar um mundo elaborado meticulosamente, com um estilo delicado, animações detalhadas e uma elegante trilha sonora. Ao longo do jogo, irão se revelar quebra-cabeças simples, sequências de plataformas e desafios opcionais baseados em habilidades, à medida que você vai abrindo o mundo de Gris.

É uma experiência quase sem texto, apenas com simples lembretes de controles representados por ícones universais. Também é carregado de simbolismos em toda parte, como por exemplo a mão que a ampara no início do jogo se rachando e quebrando, fazendo-a cair.



Minha Opinião


Pensa num jogo que vai pegar seu coração e estraçalhar em mil pedacinhos até te deixar completamente devastado, é assim o jogo GRIS. Uma garota de repente se vê sem voz e sem cores em sua vida, num enorme vazio existencial após seu mundo pessoal entrar em declínio.

Pouco a pouco, conforme o jogo avança, ela vai precisar encontrar forças para se reerguer e buscar novamente as cores da sua vida e sua própria voz até conseguir superar e finalmente seguir em frente e em paz consigo mesma.

Pode parecer uma explicação confusa, mas é o tipo de jogo que não se explica, apenas se joga para sentir e entender completamente.


O jogo aborda temas delicados como o luto e a depressão, principalmente sobre as cinco fases do luto: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação, tudo isso de uma forma sensível e tocante.

GRIS é uma verdadeira obra de arte; não apenas visual, com cenários lindos de encher os olhos todos feitos em aquarela pelo artista Conrad Roset em parceria com os desenvolvedores do jogo; mas também auditiva, nos presenteando com uma trilha sonora de arrepiar, do grupo Berlinist, e que dá o toque especial e necessário para todas as ambientações do jogo.


É uma experiência completamente emocional e particular. Alguns podem achar o jogo entediante por não apresentar muita ação ou desafios, além de ser bem curto, mas essa não é a proposta do jogo. É o tipo de jogo para você apreciar e refletir durante toda a jornada sobre o que ele aborda, sem pressa.

Não tem como não chorar com esse jogo de tão emocionante que ele é. Passei um bom tempo refletindo sobre ele depois. Fiz questão de jogar duas vezes seguidas não só para conseguir todas as conquistas (gosto muito de fazer isso nos jogos e porque tem uma cena escondida no final), mas também para viver toda a experiência de novo porque foi muito única e impactante.

Eu não queria que acabasse, não queria me despedir dele, eu queria esquecer tudo só para viver aquilo tudo de novo pela primeira vez.


O que eu escrevo aqui é pouco para expressar os sentimentos que esse jogo causa e o quanto ele é incrível. Sem dúvidas entrou para a minha lista dos melhores jogos que já joguei na minha vida. Recomendo fortemente.


Onde encontrar:




GRIS

Desenvolvedor: Nomada Studio
Distribuidor: Devolver Digital
Lançamento: 2018
Jogadores: 1 pessoa
Gênero: Aventura, Indie, Singleplayer

Descrição: Gris é uma jovem esperançosa, perdida em seu próprio mundo, que lida com uma dolorosa experiência. Sua jornada pela tristeza se manifesta em seu vestido, que concede a ela novas habilidades para navegar melhor por sua realidade desbotada. Ao longo da história, Gris evolui emocionalmente e passa a ver o mundo de outra forma, revelando novos caminhos para explorar com o uso de suas novas habilidades.





Imagens: Divulgação/Devolver Digital

Postar um comentário